quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

O labirinto..


Depois da ousadia com que saltara do parapeito da sua janela, no meio de um sorriso, a menina corria agora desenfreadamente pelo labirinto, nem a excessiva acumulação de barulho a incomodava. Os seus movimentos adquiriam a leveza e gravidade da composição musical embriagada, os seus gestos eram agora sonoros...uma rapidez maior a possuía...
Destituída da visão, depositava toda a esperança nas orelhas de Adriane, essas orelhas mágicas da afirmação positiva do eterno retorno.
No meio do labirinto cheirou uma rosa branca do jardim das flores do mal, uma rosa de um branco quase escuro como o seu jardineiro, que as envenenou com palavras da cidade em chamas; cidade antiga escondida no fundo dos oceanos no mais alto dos céus no horizonte mais distante...a cidade dos poetas malditos...
"tenho os lábios secos, oh grandes ruídos modernos", tenho os de vos amar assim com esta sede venenosa, insaciável; gritava a menina correndo sem parar para olhar.
Adormeceu muito tarde enrolada em si aconchegada com uma folha gigante...

3 comentários:

Alexandra Alpha disse...

Obrigada pela tua passagem no meu blog. Não pude deixar de visitar o teu... e que surpresa agradável!

Alejandra disse...

obrigada por seu comentário, eu Não sei muito portugues, pero eu vou a intentar haha, Não pude comprender muito é blog da você, pero lo que comprendi, me gossto muito

medusa que costura insanidades disse...

"tenho os lábios secos, oh grandes ruídos modernos", tenho os de vos amar assim com esta sede venenosa, insaciável; gritava a menina correndo sem parar para olhar.
Adormeceu muito tarde enrolada em si aconchegada com uma folha gigante...'

Nossa como você escreve bem....magnifico! essas palavras dessa menina são sagradas,(sudário de labirintite)a imagem é linda..bela construção

vi no teu perfil que gosta de muitos filmes e musicas que eu,legal essas afinidades